Estética e política em Tropa de Elite: uma leitura benjaminiana


Fagner Delazari*

RESUMO:

O presente artigo pretende analisar o filme brasileiro Tropa de Elite (2007) a partir das noções benjaminianas de empatia, violência mítica e estado de exceção. Consideramos que o longa-metragem de ficção dirigido por José Padilha alimenta um discurso apologético da violência policial ao fomentar uma identificação entre espectador e protagonista, cuja representação busca justificar a violência do BOPE (Batalhão de Operações Especiais do Rio de Janeiro) por que inserida em um contexto sócio-político de exceção, no qual se opõem aos “bandidos”. Neste contexto, o BOPE, tal como representado no filme de José Padilha, não se limita a aplicar as leis vigentes em um estado de direito, mas torna-se criador de uma legislação própria, à margem do direito, baseada em uma atuação repressiva, autoritária e sumária, que reproduz as relações de desigualdade e preconceito vigentes na sociedade brasileira.

PALAVRAS-CHAVE: Estética, Violência, Cinema Brasileiro, Walter Benjamin.

Introdução: sobre filmes, heróis, bandidos e filosofia.

O filme Tropa de Elite foi lançado em 2007 e tornou-se rapidamente a segunda maior bilheteria daquele ano, estimulado pelo vazamento de uma versão inacabada para o mercado pirata. Sua recepção foi marcada pela controvérsia: de um lado, se levantaram vozes que criticaram as cenas de tortura e o heroísmo de cunho fascista atribuído ao capitão Nascimento; de outro, surgiram defensores da tese do “bandido bom é bandido morto”, identificados com a atuação violenta do Batalhão de Operações Policiais (BOPE) do Rio de Janeiro.
Não pretendemos, neste artigo, resolver as acaloradas querelas quanto às questões de segurança pública suscitadas pelo filme, mas oferecer uma interpretação acerca das representações sociais constantes na obra, a partir da filosofia de Walter Benjamin (1892-1940). Nessa proposta, interessa-nos ler as representações da violência policial no filme de Padilha e o modo como o personagem capitão Nascimento foi fabricado na estrutura de montagem de Tropa de Elite. Para tanto, nos valeremos das noções benjaminianas de violência mítica, de empatia e de estado de exceção, compreendidas no interior da constelação conceitual do filósofo germânico. A primeira noção foi apresentada no ensaio Para uma crítica da violência, publicado em 1921; a noção de empatia foi desenvolvida, sobretudo, nas teses Sobre o Conceito de História, de 1940; e a tese sobre o estado de exceção permeia diferentes momentos da obra de Benjamin, sendo retomada por Giorgio Agamben (2004).
Defendemos, como o faz Jeanne-Marie Gagnebin (2008, p.20), que há uma “recíproca relação entre as transformações histórico-sociais da percepção humana e as transformações estéticas”, e que o cinema é um dos mais importantes produtos culturais que, ao mesmo tempo, provocam e testemunham essas mudanças, por meio das representações sociais que são fabricadas e repercutidas pelas grandes telas. Os filmes, enquanto produtos culturais altamente elaborados e com grande influência sobre parte significativa da sociedade, podem ser importantes objetos de análise filosófica, trazendo à tona questões de ordem política, epistemológica, social e, obviamente, estética.
Carla Damião chama a atenção para a ampliação do termo “estética” feita por Benjamin. Ao invés de interpretá-lo na seara da filosofia da arte ou do juízo de gosto, como foi feito desde Baumgarten a partir do século XVIII, Benjamin preferia ler o termo a partir de seu sentido etimológico, desde sua matriz grega: aisthesis como percepção ou doutrina da percepção (DAMIÃO, 2007, p.51). Essa ampliação do campo investigativo da estética é fundamental para a crítica da cultura que é empreendida por Benjamin, pois não só a arte, mas toda percepção humana, passam a ser objeto de investigação filosófica. Esta ampliação teve repercussões nas esferas epistemológica, social e política, tanto quanto no que diz respeito à questão da arte propriamente dita. Benjamin possuía absoluta clareza da historicidade da percepção: “no interior de grandes períodos históricos, a forma de percepção das coletividades humanas se transforma ao mesmo tempo que seu modo de existência”. (BENJAMIN, 2014, p.183). Essa interpretação da estética na modernidade levou em consideração o desenvolvimento da técnica como um fator condicionante para a formação de novas formas artísticas e, por conseguinte, perceptivas.
Pretendemos desenvolver a seguinte hipótese: Tropa de Elite foi produzido como obra fílmica a partir de uma estrutura de montagem que privilegia a recepção por empatia, cujo principal motor consiste na identificação do espectador com o personagem-herói, o capitão Nascimento, cuja representação na trama visa justificar a violência exercida pela polícia sobre os “bandidos”, associados a grupos marginalizados da sociedade.
Procederemos, inicialmente, a uma breve exposição dos conceitos benjaminianos supracitados, seguida da análise do filme em seus pontos nevrálgicos.

Cinema, desauratização e estetização da política

A obra mais conhecida de Walter Benjamin é o ensaio intitulado A obra de arte na era da reprodutibilidade técnica, publicado em quatro versões[1]. Nesse emblemático texto, Benjamin se afasta da crítica à técnica que estava sendo realizada por seus colegas do Instituto de Pesquisa Social da Escola de Frankfurt, em especial Theodor Adorno, e propõe uma teoria marxista da obra de arte, voltada especialmente para a interpretação do lugar do cinema no conjunto das mudanças econômicas e técnicas que estavam a se suceder no mundo moderno do início do século XX.
Na primeira versão do texto, datada de 1936, o filósofo afirmou que o cinema seria “a forma de arte correspondente aos perigos mais intensos com os quais se confrontava o homem contemporâneo” (BENJAMIN, 2014, p.207), revelando-se uma arte capaz de expressar, com mais veemência que qualquer outra, o ritmo acelerado, conturbado e violento das grandes metrópoles que despontavam desde finais do século XIX, tocadas no ritmo do trabalho industrial. Fruto das mudanças técnicas acarretadas com a invenção da câmera fotográfica, o cinema teria sido também responsável por produzir “profundas metamorfoses no aparelho perceptivo” (BENJAMIN, 2014, p.207) humano, contribuindo para alterar o modo de percepção da realidade e produzir efeitos além do domínio estético, afetando a própria relação dos indivíduos com o mundo moderno à sua volta.
Enquanto as artes “clássicas” – pintura, escultura, literatura – seriam artes baseadas na presença da aura[2], o cinema seria uma arte, por definição, desauratizada, uma vez que sua própria fabricação dependia da reprodutibilidade técnica. O diagnóstico da decadência da aura é acompanhado pela constatação da emergência de um novo tipo de percepção da arte que se opõe àquele que se havia constituído com a arte clássico-burguesa. Ao invés da contemplação, a modernidade via a fotografia e o cinema consolidarem a percepção pela distração (dispersão, diversão ou desvio) e pela experiência do choque (Chockerlebnis ou Chockerfahrung).
A experiência do choque se dá justamente no processo de associação de ideias a que o espectador está submetido no mundo moderno, sendo caracterizado por um fluxo constante de imagens que se interrompem de forma abrupta no interior da vida urbana, seja no trânsito, no trabalho ou nas ruas dos grandes centros. O cinema repercute a experiência do choque através do processo de montagem, em que as sequências de imagens vão sendo fabricadas com determinados ritmos, encadeamentos e rupturas:
o espaço se amplia com o primeiro plano, o movimento se torna mais vagaroso com a câmara lenta. É evidente, pois, que a natureza que se dirige à câmara não é a mesma que a que se dirige ao olhar. A diferença está principalmente no fato de que o espaço em que o homem age conscientemente é substituído por outro no qual sua ação é inconsciente. (BENJAMIN, 2014, p.204)

Seligmann-Silva (2008) compara o filme a um “projétil”, algo com um caráter traumatizante que possibilita uma “explosão terapêutica do inconsciente” (BENJAMIN, 2014, p.204), cuja finalidade poderia ser comparável à da catarse para a tragédia grega.
Benjamin sabia dos usos para fins políticos para os quais as novas tecnologias estavam sendo utilizadas em seu tempo. Os regimes de extrema direita que cresciam na década de 1930, reconhecendo o alcance que rádio e cinema possuíam junto às grandes massas, utilizaram-se dos meios de comunicação para fins de propaganda. A este fenômeno Benjamin deu o nome de “estetização da política”: as lentes das novas câmeras foram apropriadas para se tornarem instrumentos a serviço do poder autocrático. A estetização da política se fabricava a partir das filmagens de jogos, desfiles militares, discursos políticos, espetáculos artísticos e apresentações musicais, que eram meticulosamente transformados em cenas espetacularizadas e representavam uma totalidade coercitiva conveniente para as demonstrações de poder e sucesso do regime. As massas eram despojadas de sua capacidade política e submetidas a um processo de persuasão, baseada no acionamento de emoções primitivas e em sentimentos de patriotismo e devoção ao líder. Impossibilitadas de agir ativamente, as massas se encontravam condicionadas aos discursos grandiloquentes e sedutores que as novas tecnologias da imagem eram capazes de produzir.
Benjamin propunha a politização da arte como antítese da estetização da política. Enquanto esta se valia da apropriação da técnica com fins de manipulação e propaganda, que não pretendia alterar as relações de produção sob as quais os regimes totalitários estavam assentados, a politização da arte consistia na apropriação da técnica para atender aos interesses das classes dominadas. Mas esta politização não consiste em inverter o jogo de dominação, fazendo do cinema um instrumento de propaganda a serviço do proletariado. Embora o próprio Benjamin não tenha fornecido uma conceituação explícita da expressão, é possível afirmar que a politização visa, em primeiro lugar, desmascarar os simulacros da política estetizada e difundida pelos regimes totalitários. O cinema, por seu caráter desauratizado, desprovido da sacralidade que impedia o acesso do grande público não-iniciado, estaria imbuído das características necessárias para fins de democratização da expressão e de seu uso por causas revolucionárias.
A leitura estética realizada por Benjamin possui implicações políticas claras: em primeiro lugar, o declínio da aura é considerado por Benjamin a condição de possibilidade de produção de arte e cultura que seja verdadeiramente popular, coletiva e proletária; em segundo lugar, esse mesmo processo de desencantamento da arte almeja não só se desvencilhar do domínio da burguesia sobre a cultura como também da apropriação do cinema e da fotografia pelo fascismo (BENJAMIN, 2014, p.180). Esses vínculos entre cinema e política são especialmente importantes para nossa análise, considerando que Tropa de Elite está intimamente atrelado a cenários políticos marcados por uma presença violenta do Estado e por discriminação racial e social.

Estado de exceção, empatia e violência mítica na filosofia de Benjamin

O filósofo italiano Giorgio Agamben recuperou Benjamin em muitos aspectos, mas o conceito de “estado de exceção” tornou-se emblemático para as suas reflexões políticas acerca das relações entre os estados de direito modernos e a incorporação, velada ou tolerada, de posturas antidemocráticas, autoritárias e violentas. Apresentando-se como “a forma legal daquilo que não pode ter forma legal”, a noção de “estado de exceção” não se resume somente aos estados totalitários clássicos, como o fascismo de Mussolini, o Terceiro Reich de Hitler e o stalinismo soviético, mas se amplia para os autoproclamados regimes democráticos que, cada vez mais, admitem a presença de fórmulas políticas que tangenciam o autoritarismo, criando “índices de indeterminação entre a democracia e o absolutismo” (AGAMBEN, 2004, p.13). Agamben retoma a discussão benjaminiana sobre a violência mítica (Reine Gewalt) que residiria na origem do próprio direito, apresentada sobretudo no ensaio Para uma crítica da violência, de 1921. Essa categoria de violência – a violência mítica – teria por função principal não a consecução da justiça, mas sim a manutenção do próprio direito e do status quo dos grupos que ocupam o poder político-econômico.
A noção de estado de exceção se vale da discussão benjaminiana acerca da simbiótica relação entre poder e violência para caracterizar os modernos estados democráticos do século XXI. Desde o início do século XX, no entanto, com a complexificação dos estados de direito, o estado de exceção deixa de ser somente um dispositivo jurídico oficial para se tornar um modo de operação permanente e sub-reptício dos estados contemporâneos:
a instauração, por meio do estado de exceção, de uma guerra civil legal que permite a eliminação física não só dos adversários políticos, mas também de categorias inteiras de cidadãos que, por qualquer razão, pareçam não integráveis ao sistema político […] o estado de exceção tende cada vez mais a se apresentar como paradigma de governo dominante na política contemporânea. (AGAMBEN, 2004, p.13)
As práticas de estado de exceção teriam passado a ser incorporadas sistematicamente nas ações políticas modernas, frequentemente de forma velada ou opaca, buscando se justificar por meio de discursos discriminatórios que encontram eco no imaginário social construído em bases racistas e xenofóbicas, como é o caso do Brasil. O imaginário preconceituoso que residiria na estrutura sociocultural brasileira serviria de pano de fundo para a disseminação de discursos de cunho higienista, tornados práticos pela atuação sistemática do estado de exceção.
Os meios de comunicação de massa cumpririam um papel de grande importância na disseminação desses discursos. Exemplo disso são os jornais policiais de cunho sensacionalista, tanto os exibidos pela televisão quanto os tabloides, que exploram de forma espetacularizada episódios ligados ao universo do crime e reforçam preconceitos raciais e de classe em torno do “bandido” ou do “marginal”. A dramatização envolvida na cobertura a esses crimes produz um duplo efeito no público que o recebe: primeiro, o efeito do entretenimento, que está intimamente associado às funções contemporâneas dos meios de comunicação – eles próprios sendo empresas privadas – em uma sociedade capitalista em que tudo deve ser transformado em mercadoria consumível; segundo, o efeito da manutenção das relações de poder, uma vez que as narrativas fabricadas são sempre superficiais e atuam justamente na perpetuação dos estereótipos já existentes, sem que se desperte a necessidade de investigação social e racional mais aprofundada. Atendo-se somente a um vínculo emocional, a espetacularização da violência cumpre um importante papel de alienar e perpetuar relações assimétricas de poder, mantendo a marginalização de determinados grupos sociais.
Na contemporaneidade, a violência é monopolizada pelo Estado e passa a ser uma prerrogativa das polícias e do exército, supostamente para garantir a ordem e a paz social. Este monopólio indica outra face da questão, que vai se revelar a mais interessante do ponto de vista filosófico: “o interesse do direito em monopolizar a violência com relação aos indivíduos não se explicaria pela intenção de garantir os fins de direito mas, isso sim, pela intenção de garantir o próprio direito.” (BENJAMIN, 2011, p.127, grifo nosso). Aí reside o caráter mítico do direito. Sua instauração é definitiva, sendo mantida por uma série de rituais e instituições que se valem, em última instância, da violência. Mas a violência não soa meramente como punição, e sim como a materialização de um destino (Schicksal): indiscutível e inescapável. Como diz Benjamin, a “violência que mantém o direito é uma violência que ameaça” (BENJAMIN, 2011, p.133), mas não se deve entender ameaça como intimidação, porém como o braço do destino que envolve a todos de forma inelutável, tendo o poder de decidir sobre a vida e sobre a morte.
As polícias se revelam como as instituições do Estado que melhor materializam a violência mítica e suas ambiguidades: uma instituição estatal que é responsável pela aplicação da lei, e que se vale da prerrogativa do uso da violência, é a instituição responsável por asseverar o cumprimento do direito, no limite em que eles estão sendo confrontados pelo potencial criminoso. Mas, ao mesmo tempo em que mantém a lei, a polícia instaura um novo direito, justamente porque, no limite em que o Estado não consegue fazer valer a lei por si mesmo, ela emite decretos que se pretendem indiscutíveis e absolutos de forma arbitrária e, não raras vezes, valendo-se da prerrogativa do uso da violência física que é própria da natureza dessa instituição, praticada principalmente contra grupos mais vulneráveis e menos cobertos pelas garantias legais do estado de direito. Benjamin atenta que “o “direito” da polícia assinala o ponto em que o Estado, seja por impotência, seja devido às conexões imanentes a qualquer ordem de direito, não consegue mais garantir, por meio dessa ordem, os fins empíricos que ele deseja alcançar a qualquer preço” (BENJAMIN, 2011, p. 136), que são a ordem e a paz social.
Ao contrário do que se pode pensar, a atuação da polícia não coincide com os fins do direito: ela ocorre justamente no interstício entre o que o direito estabelece e o que ele consegue, de fato, cumprir. No vácuo do direito é que se estabelece a ação policial, instaurando novos direitos por meio do uso da força. E não há como não perceber que Benjamin radicaliza sua reflexão, questionando a própria existência da instituição policial na estrutura democrática: a polícia, em um estado democrático, resume o máximo da deformação que se possa conceber a partir desta reunião a que corresponde o núcleo semântico do termo germânico Gewalt, a um só tempo poder e violência (SELIGMANN-SILVA, 2005, p.27).
A violência mítica estaria na base da tradição dos vencedores, criticada, sobretudo, nas teses sobre o conceito de história de 1940. A noção de empatia (Einfühlung) define o modo como a história é percebida: privilegiando a versão dos vencedores, aquele ponto de vista que tende a enxergar os acontecimentos a partir do olhar do poder vitorioso, que se impõe sobre os vencidos, oprime, domina e silencia.
A Reine Gewalt se desdobraria em: 1º. uma “violência arbitrária” (BENJAMIN, 2011, p.156), que instaura o direito e vincula todos os indivíduos de uma sociedade a ele; 2º. uma “violência administrada” (BENJAMIN, 2011, p.156) que está a serviço da primeira e cumpre a função de manter o direito imposto de modo arbitrário. A violência, que é fundamento do estado de direito moderno, está também nas bases das relações de poder que mantêm os opressores por sobre os oprimidos e contribuem para a perpetuação das narrativas históricas habituais/comuns (landläufig), que alimentam a crença no predomínio daqueles em detrimento destes.

Capitão Nascimento: heroísmo, empatia e violência mítica

Com atuações dignas de elogios por parte de seus atores, um roteiro bem construído, uma progressão da história que garante inteligibilidade, tensão, clímax e cenas de ação dignas de elogio, o filme de Padilha conquistou o Urso de Ouro em Berlim em 2008 e obteve nota 8,1 na avaliação do site do IMDB[3]. A história de Roberto Nascimento, sua busca por um substituto para seu posto de capitão do BOPE, sua luta contra os criminosos dos morros cariocas e sua aventura pessoal quanto ao nascimento do seu filho, nasceram de uma livre adaptação do livro Elite da Tropa, do antropólogo Luiz Eduardo Soares em parceria com dois ex-policiais do BOPE. Esta obra literária teria sido confeccionada a partir de relatos de eventos reais vivenciados no cotidiano da corporação, em que os policiais “ou se corrompem, ou se omitem ou vão pra guerra” (SOARES et al, 2006, p.12). A história do BOPE seria a da elite policial carioca que vai para a guerra. Formada por policiais rigorosamente selecionados, exemplarmente treinados, moralmente incorruptíveis, que ostentam com indisfarçável orgulho os símbolos que os distinguem: a farda preta e a faca na caveira. Estes policiais assumiram que sua missão é “invadir favela e deixar corpo no chão” (SOARES et al, 2006, p.5), e encontraram em todo o país admiradores de suas práticas de abuso de autoridade, uso de métodos de coação, tortura e violência (inclusive contra menores de idade) para obtenção de informações, além de execuções sumárias.
Segundo a opinião do crítico Cássio Carlos, (2007, p.1) “a primeira impressão é a de um filme de ação muito bem executado, que segue cânones do gênero, conduzindo a plateia a torcer pelo protagonista por meio do sempre eficiente mecanismo de identificação”. Estes “mecanismos de identificação” da plateia com o protagonista, a que o cronista se referiu, estão na base da noção benjaminiana de empatia e figuram como elementos chave da percepção do filme.
A suposta fusão[4] entre realidade e fantasia seria intensificada no processo de montagem pelo encadeamento de ações das personagens nos planos de sequências, que permitem um entendimento narrativo linear e didático, centrado na personagem principal. Junta-se a esse processo de montagem a trilha sonora, recurso que não é de nenhum modo dispensável ou secundário: a seleção de músicas ou de sons que acompanham cada cena visa a intensificar a percepção, estimular os momentos de clímax e encaminhar determinados estados de ânimo no espectador, potencializando a fruição ensejada pelo diretor.
Segundo Christian Metz, a montagem possibilita “injetar na irrealidade da imagem a realidade do movimento, e, assim, atualizar o imaginário num grau nunca dantes alcançado”, uma vez que “o real nunca conta histórias; a lembrança, por ser uma narração, é totalmente imaginária; um acontecimento deve estar de algum modo encerrado para que – e antes que – sua narração possa ser iniciada” (METZ, 1972, p. 28-37). Conforme o autor, a alegada “magia do cinema” consistiria justamente na capacidade específica dessa arte de inserir índices de realidade nas imagens, valendo-se de sua linguagem e de sua técnica específicas: enquadramentos, trilha sonora, atuações do elenco, montagem, edição. Toda sua denotação estará necessariamente sendo filtrada e editada pelo equipamento técnico, e toda a sorte de equipamentos está a serviço dos seus operadores e do olhar condutor do diretor. E complementa Metz:
este sentimento tão direto de credibilidade vale tanto para os filmes insólitos ou maravilhosos como para os filmes “realistas”. Uma obra fantástica só é fantástica se convencer (senão é apenas ridícula) e a eficácia do irrealismo no cinema provêm do fato de que o irreal aparece como atualizado e apresenta-se aos olhos como uma ilustração aceitável de alguns processos extraordinários que, tivessem simplesmente, sido inventados (METZ, 1972, p. 17-18).

O realismo é tanto maior quanto menos aparecem aos olhos do espectador a influência do aparato técnico que está por trás das cenas. Ismail Xavier usou as expressões “transparência” e “opacidade” (XAVIER, 2005, p.14) para se referir, respectivamente, à ausência ou à presença de elementos que permitam identificar que as cenas são produto de um processo de filmagem e montagem. Segundo Xavier, quanto mais transparente é uma obra, maior é a sensação de realismo que é despertada no espectador, que tem a impressão ilusória de que está diante da realidade sem mediação, sem a intromissão de filtros que deturpam ou moldam o que se passa diante de seus olhos:
tudo nesse [tipo de] cinema caminha em direção ao controle total da realidade criada pelas imagens – tudo composto, cronometrado e previsto. Ao mesmo tempo, tudo aponta para a invisibilidade dos meios de produção dessa realidade. Em todos os níveis, a palavra de ordem é “parecer verdadeiro”, montar um sistema de representação que procura anular a sua presença como trabalho de representação (XAVIER, 2005, p. 31).

Padilha esforçou-se para conferir esta sensação realista por meio de diversos métodos: buscou criar um ambiente híbrido, entre a ficção e o documentário, valendo-se de técnicas de filmagem como a câmera na mão[5], associada a um figurino real (tomado de empréstimo junto ao BOPE), mais o treinamento específico fornecido aos atores para agirem “como policiais”[6], além da inclusão de cenas de arquivos, com filmagens reais das visitas do Papa ao Brasil.
Vera Lúcia Figueiredo (2008, p.04) destaca que, apesar das aproximações com a estética documental pretendidas pela equipe da Zazen Produções, Tropa de Elite continua sendo uma obra ficcional. O narrador (o próprio capitão Nascimento) é intradiegético, isto é, participa ativamente da história ficcional que narra, de modo a sintonizar a narração com voz em off (a voz que fornece o pano de fundo dos relatos) com as imagens oferecidas para o espectador. Não há dissonância ou contradição entre o ponto de vista oferecido pelo narrador e os demais pontos de vista possíveis, incluindo o próprio julgamento dos espectadores:
cabe lembrar, no entanto, que Tropa de Elite não é um documentário. É um filme de ficção que apresenta um narrador intradiegético, utiliza o recurso da voz em off e realiza a transposição visual da narrativa de Nascimento, sintonizando-a com a visão de mundo do personagem narrador, isto é, não há dissonância entre o ponto de vista do narrador dentro da história e do narrador invisível que promove a visualização do que é relatado verbalmente. Tal procedimento deixa o espectador inteiramente entregue à visão do capitão do BOPE, não havendo nenhum tipo de mediação, um outro olhar distanciado, “intelectual”, que sirva de guia para a avaliação da performance de Nascimento. Em Tropa de Elite, o público é colocado diante do discurso de Nascimento, assim como, num documentário feito de entrevistas, é posto diante da fala dos entrevistados. Entretanto, esse discurso, como costuma ocorrer nas narrativas cinematográficas ficcionais em primeira pessoa, não é veiculado apenas verbalmente pelo narrador explícito, mas também pelas seqüências de imagens que “mostram” o que ele narra. (FIGUEIREDO, 2008, p.04)

A narração em voz em off (ou voice over), acoplada à câmera subjetiva (isto é, a câmera que ocupa o lugar do olhar do personagem, ao invés de se posicionar à distância em relação à cena, fora do quadro), produz um efeito significativo de autoridade sobre a percepção do espectador, que conduz a uma percepção por empatia. O narrador, ainda que não se assuma como o observador universal, possui uma ascendência importante sobre a organização narrativa, oferecendo em tempo real a interpretação oficial para os fatos que o espectador tem diante de seus olhos. Dona absoluta da narrativa, a voz em off não estimula, possivelmente nem mesmo permite, o exercício do contraditório acerca de sua versão discursiva. Os dados, as informações complementares, as apreciações, os jogos de linguagem, os toques de humor reafirmam peremptoriamente o conteúdo das imagens, conduzindo a uma interpretação direcionada ideologicamente segundo a visão unívoca oferecida pelo narrador.
Este efeito de autoridade é especialmente relevante no caso de Tropa de Elite porque o narrador é também o personagem principal, cuja visão já está sendo oferecida ao público através da sequência de cenas. O narrador não é universal porque ele não perscruta as consciências de todos os personagens, mas tem acesso a eventos de que não participa e os narra como se estivesse em um local privilegiado de observação, acompanhando o desenrolar da trama do mesmo ângulo em que os espectadores se encontram, mas com domínio e controle sobre a história anterior e o desenrolar futuro. Com Tropa de Elite as palavras não têm mais força do que as imagens, mas o impacto das imagens depende, em grande medida, da força da narração, que delineia os possíveis sentidos que podem ser atribuídos a uma determinada cena.
Uma das características do estilo de narração escolhido por Padilha está no tom intimista que Nascimento confere à sua fala, conduzindo o espectador à convicção de que o capitão está conversando individualmente com ele. O narrador não se dirige a uma coletividade abstrata, mas a um colega de conversa, a alguém com quem se compartilha confissões. O tom informal, o uso de gírias, os marcadores de linguagem, as referências irônicas e a impressão de que se contam informações confidenciais imprimem um tom de camaradagem entre o narrador e o espectador que se revela mais um artifício para a produção da empatia, ampliando a influência da rede de significados conveniente à versão dos fatos apresentados sob o olhar do capitão Nascimento.

Considerações finais sobre a relação entre estética e política em Tropa de Elite

O filme de Padilha, a despeito das alegadas intenções do próprio diretor e do ator principal[7] (MOURA, 2007), filiou-se a uma tradição de fabricação da percepção por empatia que permitiu a interpretação que o acusou de fascismo[8]. Ao fabricar um discurso monológico em nome de um único personagem, criando uma simbiose entre o narrado e o mostrado pelas imagens, Padilha permitiu uma associação por demais imediata entre discurso fílmico e uma suposta realidade que coincide com um imaginário social racista, excludente e autoritário. Com isso, Padilha abriu mão da possibilidade da intervenção crítica de sua direção, deixando o espectador à mercê da única visão de mundo oferecida a ele: a visão do capitão Nascimento.
A partir dessa visão monológica, a violência policial buscava encontrar legitimação. Mesmo as críticas contra a tortura que despontaram não conseguiram silenciar as muitas aprovações à atuação autoritária, repressiva e à margem da lei executada por Nascimento e sua trupe. Essas aprovações já eram um indício, bastante evidente agora, onze anos após, de um movimento crescente no Brasil: o avanço de setores mais conservadores que desconfiam de políticas sociais de combate à criminalidade e apostam em uma guerra aos “bandidos” maniqueísta e simplista: “nós”, os cidadãos de bem, versus “eles”, um conjunto heterogêneo de raças, subgrupos sociais, agrupamentos localizados territorialmente nas periferias, que podem representar uma ameaça ao status quo das classes burguesas dominantes e da classe média.
Os aplausos ouvidos em muitas salas de cinema ao Capitão Nascimento (XEXÉU, 2007, p.1) podem ser considerados sintomas da ascensão de posições políticas mais conservadoras no país. A figura do capitão Nascimento (formação militar, rígido, disciplinador, moralista, defensor dos bons costumes e de uma postura ética militarizada, que aponta o dedo para os “maus comportamentos” da classe média que alimenta o tráfico de drogas), tem encontrado ecos na política atual em diversos âmbitos e repercutido em posicionamentos institucionalizados.
Reafirmando o que Agamben (2004) havia dito, o BOPE em sua representação cinematográfica exemplifica o estado de exceção em toda sua plenitude. Capitão Nascimento, inserido no território de guerra dentro do qual é soberano, se põe acima da lei comum dos homens, suspende a ordem jurídica vigente e instaura uma nova normatização que não necessariamente invalida a lei vigente, mas a coloca entre parênteses, em suspensão. As garantias constitucionais de proteção ao cidadão quanto ao direito de habeas corpus, direito de não ser torturado, direito de receber um julgamento justo com ampla defesa, direito de ter privacidade em seu próprio domicílio – todas essas garantias continuam existindo em tese, mas são suplantadas na prática por uma nova normatização, baseada na violência, na imposição e no autoritarismo, imposta sob o regime da exceção.
Consideramos que Padilha, apesar de sua alegada intenção e de seus esforços para realizar uma abordagem problematizadora das questões ligadas à violência urbana, acabou contribuindo para uma interpretação contrária dos termos da questão. Sua obra, por se inserir dentro do aparelho burguês de produção e publicação – o mainstream, o hegemônico na estrutura do mercado da cultura – pode ser lida como mais uma defensora de um modelo de estado autoritário, desumano e excludente, pautado na segregação e na repressão que são coniventes com a manutenção das desigualdades sociais e do status quo estabelecido em nossa sociedade. Por isso, a identificação entre Nascimento e parte considerável do público foi tão significativa: a percepção por empatia, alimentada pelo conjunto de imagens e sons que desfilam ao longo de todo o filme, ratificam o imaginário social de que “bandido bom é bandido morto” e de que somente uma atuação ostensiva e repressiva contra os “bandidos” é capaz de solucionar os problemas ligados à criminalidade.
Quando Benjamin teorizou acerca do fenômeno da estetização da política, estava inserido em um contexto de ascensão dos regimes nazista e fascista em vários países da Europa e de sua expansão imperialista. Certamente, o contexto político vivenciado pelo Brasil é diferente – vivemos sob um estado democrático de direito, ainda que o exercício da cidadania seja precário para grande parte da população. As diferenças quanto aos momentos políticos nos fazem ter cautela em relação ao uso da expressão benjaminiana. Porém, por outro lado, é possível rastrear elementos do fascismo na atualidade brasileira, seja em político profissionais, na grande mídia sensacionalista ou no imaginário social que se explicita nas opiniões emitidas pelo senso comum. Se, por um lado, o filme de Padilha não foi proposto por um estado autoritário, não tem finalidade propagandística e não está filiado a nenhum grupo de extrema-direita, por outro lado, ele perfaz um caminho de representação do policial e de sua atuação violenta que consideramos adequado chamar de estetização da violência.



Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estado de Exceção. Tradução de Iraci Poleti. SP: Boitempo, 2004.
BENJAMIN, Walter. Para uma crítica da violência. In: BENJAMIN, W. Escritos sobre mito e linguagem. Tradução de Ernani Chaves. Organização de Jeanne Marie Gagnebin. São Paulo: Editora 34; Duas Cidades, 2011. p. 121-156.
BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica (1ª Versão). In: BENJAMIN, W. Obras Escolhidas I. Magia e técnica, arte e política. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. SP: Brasiliense, 2014, p.179-212.
CALDAS, Pedro. O (ab)uso da palavra fascimo: a recepção de Tropa de Elite. In: Viso: Cadernos de estética aplicada, v. II, n. 4, jan-jun/2008, p. 46-56.
CARLOS, Cássio Starling. Em "Tropa de Elite", Padilha transforma a platéia em algoz. Folha de São Paulo - Ilustrada, 05/10/2007. Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq0510200711.htm. Acesso em 08/07/2017.
DAMIÃO, Carla Milani. Os conceitos de distração, tatibilidade e hábito no ensaio sobre a obra de arte de Walter Benjamin. In: Estéticas do Deslocamento, 2007. Belo Horizonte, 2007. p. 51-59.
FIGUEIREDO, Vera Lúcia Follain. Uma questão de ponto de vista: a recepção de Tropa de elite na imprensa. In: Encontro da Compós, 17., São Paulo, 2008, p.1-13,. Disponível em: <http://www.compos.org.br/data/biblioteca_334.pdf. Acesso em 11/03/2017.
GAGNEBIN, Jeanne-Marie. O olhar contido e o passo em falso. Especiaria - Cadernos de Ciências Humanas. v. 11, n.19, jan./jun. 2008, p. 13-23.
LÖWY, Michael. Walter Benjamin: Aviso de incêndio. Uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. Tradução de Wanda Caldeira Brant; tradução das teses de Jeanne-Marie Gagnebin e Marcos Lutz Müller. SP: Boitempo Editorial, 2005.
METZ, Christian. A significação do cinema. Tradução e posfácio de Jean Claude Bernadet. São Paulo: Perspectivas, 1972.
MOURA, Wagner. Em artigo ao Globo, Wagner Moura diz que 'Tropa de elite' não é fascista. Jornal O Globo (on line). Disponível em
https://oglobo.globo.com/cultura/em-artigo-ao-globo-wagner-moura-diz-que-tropa-de-elite-nao-fascista-4152206. Publicado em 27/09/2007. Acessado em 10/11/2017.
OLIVEIRA, Magali. Tropa de Elite: a espetacularização da fusão Real/ficção no cinema nacional a serviço do Bope e do Ibope. Dissertação de Mestrado – UFSJ/MG. 2010.
SELIGMANN-SILVA, Márcio. Walter Benjamin: o estado de exceção entre o político e o estético. Revista Outras Travessias, no 5. Ilha de Santa Catarina, 2º semestre de 2005, p. 25-38.
SOARES, Luís Eduardo, BATISTA, André, PIMENTEL, Rodrigo. Elite da Tropa. RJ: Objetiva, 2006.
TROPA de Elite. Direção: José Padilha. Produção: José Padilha e Marcos Prado. Roteiro: José Padilha e Bráulio Mantovani. RJ: Zazen Produções/Posto Nove/Feijão Filmes, 1997. 35mm, Dolby Digital, Color, 1 DVD, 115 min.
XAVIER, Ismail. O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. SP: Paz e Terra, 2005.
XEXÉO, Artur. Xexéo sobre Tropa de Elite: o chocante é a platéia. O Globo, Rio de Janeiro, 26 set. 2007. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/cultura/mat/2007/09/26/297889226.asp>. Acesso em: 21/01/2018.

AUTOR
*Fagner Delazari é Licenciado em Filosofia (UFMG), especialista em Sociologia (Instituto Claretiano), Mestre em Letras: Linguagens e Representações (UESC). Professor de Filosofia do Instituto Federal da Bahia.

como citar:
DELAZARI, Fagner. Estétia e política em Tropa de Elite: uma leitura benjaminiana. Revista Sísifo. n° 9, v. 1, 30 de junho de 2019.



[1] Márcio Seligmann-Silva e Gabriel Valadão Silva procederam a um estudo comparativo das diferentes versões deste ensaio na tradução lançada pela editora LePM, em 2014.
[2] “[A aura] é uma teia singular composta de elementos espaciais e temporais: a aparição única de uma coisa distante, por mais perto que esteja” (BENJAMIN, 2014, p.184) . Trata-se do “aqui e agora” da obra de arte, assegurada pelas noções de unicidade, autenticidade e organicidade a ela predicadas. A unicidade da obra de arte estaria atrelada à sua inserção no contexto da tradição, o modo particular como se vincula à história; a autenticidade seria assegurada pela sua existência única, irreprodutível; a organicidade deve-se à organização interna de seus elementos, igualmente singular. Enfim, a aura de uma obra de arte se compõe das distâncias que se estabelecem entre ela e o mundo ao seu redor, especialmente o espectador.
[3] Fonte: http://www.imdb.com/title/tt0861739/. Acesso em 12 dez. 2017.
[4] Magali Oliveira, em dissertação intitulada “Tropa De Elite: a espetacularização da fusão real/ficção no cinema nacional a serviço do BOPE e do Ibope” (2010), faz uma referência direta a esta “fusão”, argumentando ter sido além do que uma adesão estética, uma estratégia de marketing que visava seduzir um público afeito por narrativas de ação e emoções fortes (OLIVEIRA, 2010, p.22).
[5] Magistralmente operada por Dib Lutfi, no movimento cinemanovista. Mas, ao contrário do que ocorria no Cinema Novo, em Tropa de Elite a “câmera na mão” (frequentemente com o uso de steady cam para estabilizar a captação de imagens) conduz a uma filmagem subjetiva, que visa dar visibilidade aos planos de visão dos personagens policiais, acentuando a sensação de imersão do espectador que acompanha passo a passo os movimentos dos oficiais do BOPE nas suas incursões contra os “bandidos”.
[6] O treinamento dos atores foi conduzido por Fátima Toledo, em parceria com o BOPE-RJ.
[7] Wagner Moura faz a afirmação no artigo intitulado “Tropa de Elite não é fascista”, publicado no Jornal O Globo de 25/09/2007 (Disponível em https://oglobo.globo.com/cultura/em-artigo-ao-globo-wagner-moura-diz-que-tropa-de-elite-nao-fascista-4152206. Acesso em 03/12/2017). O texto de Moura é uma resposta ao artigo de Arnaldo Bloch escrito, “Tropa de Elite é fascista”, escrito também para O Globo.
[8] Sobre a acusação de fascismo, ver o artigo de Pedro Caldas intitulado “O abuso da palavra fascismo: a recepção de Tropa de Elite”, publicado na revista Viso: Cadernos de Estética Aplicada, em 2008.
Compartilhar no Google Plus

0 comentários :

Postar um comentário